Notícias

“Não é que os jovens de hoje prefiram alugar, simplesmente não podem comprar”.

9 Jun 2022 | Sem categoria

O sector imobiliário está num ponto apetecível depois de emergir fortemente da crise do coronavírus, demonstrando a sua resiliência. A este respeito, a Tecnotramit faz uma previsão positiva da evolução do mercado no segundo semestre do ano e analisa os principais desafios e questões que o sector enfrenta.

Vicenç Hernández Reche, CEO da Tecnotramit e Presidente da Associação Nacional de Agentes Imobiliários de Espanha (ANAI) e da Associação de Agentes Imobiliários da Catalunha (AIC), salienta que “a mudança de paradigma no sector residencial após a pandemia tem sido significativa”. Hernández Reche destaca o papel catalisador que está a ser desempenhado pelo aparecimento da proptech, que abalou o sector, de modo que as agências imobiliárias colocaram o cliente no centro e estão a oferecer mais serviços. “Uma das piores coisas que podem acontecer a um sector é viver com um certo conforto, que  o chavão ‘as coisas sempre foram feitas desta maneira’ se instale como argumento típico: é o primeiro passo para o seu desaparecimento”, refere o perito.

Comprar ou alugar: sem debate em Espanha

No que diz respeito a se a procura prefere comprar ou alugar, o perito é claro: “Ainda queremos comprar. Há aqueles que dizem que os jovens já não querem comprar… simplesmente não podem. Portanto, em vez da perceção de ter mudado a preferência pelo aluguer em detrimento da compra, o que foi identificado é uma mudança na forma como queremos viver. As pessoas já estão a repensar firmemente o espaço de que realmente necessitam para as suas operações diárias”.

O papel da Administração no sector imobiliário espanhol

A Tecnotramit defende o papel relevante da Administração na facilitação do fluxo da economia e no estabelecimento de regulamentação em determinados momentos. No entanto, o CEO da empresa afirma que “é incongruente dizer que os bens imóveis são extremamente importantes e que a habitação é uma política fundamental para a vida das pessoas e depois é o ativo que paga mais impostos”.

A empresa adverte que, para aliviar o problema de acesso à habitação para certos grupos como os jovens e os idosos, não foram tomadas as medidas adequadas, uma vez que a lei que limita as rendas se baseia em regulamentos anteriores no Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha que não funcionavam. “As decisões estruturais não podem ser tomadas pela sociedade como um todo com uma visão tão míope”, lamenta Hernández Reche.